sábado, 16 de janeiro de 2010

Neuschwanstein, Príncipe Quê(?) e Princesa Só(!)





Por entre as altas e esfumadas montanhas Alemãs, num pequeno-grande palácio, vivia uma bela princesa. Colo branco, mãos delicadas, olhos doces, lábios rosados. Como todas as belas princesas que vivem num grande Castelo, esta também era guardada por um colossal dragão de escamas azuladas. Durante anos viveu sozinha: jantava só, almoçava sozinha, jogava arco e flecha do mesmo modo, completamente sozinha e abandonada.
Estava um dia a cachopa à janela, a contemplar a beleza verdejante da vista do seu estamine, quando ouve um “ICHMMM” (é suposto ser o relinchar de um cavalo).
_Vinde meu salvador… Eu sei que estais aí… Mostra-te meu bravo; que anseio a tua chegada.
_Ah, ah… “Aprochega-te” bichinho dos dentes grandes! Não te receio! Vinde que te esquartejarei e servir-te-ei às postas ao meu querido Lancelote!
_Pára! Deixa a Graciete!
_Desculpa?!
_Sim…a minha “Dragoa”!
_Peço desculpas bela donzela, não conhecia esta vossa… amizade. Mil perdões!
Após palavras tão sinceras a moçoila lá esboçou um leve sorriso.
_Lança a tua trança, oh bela princesa!
_Não dá! Tenho o cabelo curto!
_Onde meteste a peruca que te ofereceram no Natal?
_Ah é verdade… Está ali… Vou buscar!
A princesinha lá foi buscar a dita cuja. Colocou-a na sua cabeça redonda, aplicando uns ganchos de avozinha para se ajustar melhor e lançou a longuíssima trança pela janela.
_Pronta? Aqui vou eu?
Agarrou firme na corda de cabelos (falsos) e num pulo… TRÁS CATRA PAZ! Caiu no chão com a peruca nas mãos.
_Esquece! Não dá! Experimenta os lençóis!
_Opá, deixa de ser preguiçoso e sobe pelas escadas!
_É melhor ir pela trepadeira!
Está visto que isto era um príncipe que gostava de desafios!
Chegado ao cimo da torre, no quarto da moça:
_Oh bela, belíssima princesa… sois ainda mais bela vista de perto; tão bela e fresca como o orvalho matinal!
_E posso saber o nome do meu Príncipe Encantado?
_Príncipe Quê Encantado, encantado por a conhecer finalmente!
_Príncipe quê?
_Príncipe Quê!
_Quê? Não percebi!
_O meu nome é “Príncipe Quê Encantado”!
_Ah… então chama-se Quê ou Príncipe?
_Príncipe Quê! E a Princesa, como se chama?
_Princesa Só Princesa!
_Então trato-a só por Princesa… visto que só se chama Princesa…
_Não, não! Trate-me por Princesa Só! O meu nome completo é “Princesa Só Princesa”.
É certo e sabido que este era o casal real mais compatível até hoje conhecido. E foi assim que a Princesa Só e o Príncipe Quê se ficaram a conhecer.


História de Rute Patriarca
Inspirado no Palácio de Neuschwanstein, Alemanha

2 comentários:

  1. Rute, ficou muito giro, fartei-me de rir, MESMOOO looool

    ResponderEliminar
  2. Fiquei Encantada Só com este conto encantado!
    Amei!
    Sandra

    ResponderEliminar